Reserva de Emergência: o que é e como fazer uma para suas finanças

By Tati Bertucci - janeiro 13, 2018

Reserva de Emergência como fazer


Reserva de emergência é o primeiro passo na direção da sua independência financeira! \o/

Alguma vez já aconteceu de você estar com as suas contas todas certinhas e, do nada, aparece um gasto que faz você se endividar novamente e nunca sair da mesma 💩?  😂

Se não, parabéns! haha Mas infelizmente nem faz muito tempo que isso aconteceu comigo e é por isso que estou construindo uma reserva de emergência e vou compartilhar tudo o que aprendi com vocês.


O que é reserva de emergência?


A reserva de emergência é uma quantia de dinheiro que você guarda para cobrir gastos de emergência, também chamados por alguns de gastos "imprevistos".

Reserva de Emergência como fazer gif emergencia minion

Perder o emprego, ficar doente e precisar comprar remédios caros, uma peça do seu carro que quebrou e custa uma fortuna, o seu celular que pifa e está fora da garantia ou um vazamento que aparece na sua casa, são bons exemplos de gastos de emergência.

Eu coloquei a palavra "imprevisto" entre aspas porque aprendi que imprevistos não existem. Por exemplo, se tenho um carro, sei que posso precisar trocar alguma peça dele em algum momento, portanto, esses "imprevistos" estão previstos para acontecerem em algum momento, e por isso já vamos juntando dinheiro para eles.

Ter uma reserva de emergência nos proporciona pagar esses gastos à vista, sem nos endividarmos. Dessa forma, podemos evoluir nas finanças, fazendo o dinheiro crescer, ao invés de passar uma vida toda pagando parcelas de cartão de crédito. 😉


Qual é o valor ideal para uma reserva de emergência?


A reserva de emergência tem que ser exatamente igual ao seu custo de vida durante 6 meses.

O custo de vida não é o seu salário total, mas o valor que você gasta todos os meses para viver. Caso você não saiba quanto gasta ainda, faça um orçamento para saber todos os seus gastos fixos, variáveis e supérfluos, porque esse é o primeiro passo para controlar suas finanças.

Vamos supor que você ganhe R$ 3 mil e gaste R$ 2 mil todos os meses, então você multiplicaria esse valor por 6 meses, para verificar que sua reserva de emergência deve ser de R$ 12 mil. 

E se por acaso você anda gastando mais do que ganha, pare já com isso! Elimine todas as dívidas e comece a enriquecer. 💰


Onde guardar o seu dinheiro?


Certamente depois de ler todos os posts de finanças do blog você não vai guardar esse dinheiro na poupança, né?

Reserva de Emergência como fazer gif pensando

Antigamente a poupança era “sinônimo de investimento”; praticamente a única opção em que as pessoas pensavam na hora de guardar dinheiro.

Mas cada vez mais pessoas (me incluo nessa) perderam o medo de investir seu dinheiro em outras opções mais rentáveis, e tão seguras quanto a velha poupança.

Aqui no blog eu falei sobre várias opções de investimentos, para todos os bolsos, mas nem todas servem para você fazer a sua reserva de emergência.

Por quê? Porque a reserva de emergência exige um investimento que tenha liquidez diária, ou seja, um investimento que te permita sacar o dinheiro assim que a emergência aparecer (diferente daqueles que prendem o dinheiro até uma data específica).

A seguir vou falar sobre os três tipos de investimentos onde você pode criar a sua reserva de emergência. Em todos eles, é preciso procurar uma corretora de valores. Faça uma pesquisa na internet para escolher a que mais lhe agradar.  :)

▸ Tesouro Selic: está atrelado à Selic, que é a taxa básica de juros e tem liquidez diária, o que significa que conseguimos sacar quando quisermos.

Como funciona esse investimento? O Governo Federal precisa arrecadar dinheiro para usar em infraestrutura, projetos sociais, entre outras coisas, e para isso ele emite um título de dívida, onde você pode comprar e receber a remuneração por ele.

Existem outros tipos de investimentos em Tesouro Direto para outras situações, e clicando aqui você pode aprender mais sobre eles.

Mas para a reserva de emergência você deve optar pelo Tesouro Selic, porque é possível sacar o dinheiro antes do vencimento, sem ter prejuízo.

Na hora de resgatar qualquer título do Tesouro Direto, é descontado automaticamente o Imposto de Renda sobre o que lucramos (não sobre o valor investido) e a alíquota varia de acordo com o tempo em que o dinheiro ficou investido, como você pode ver abaixo:

→ 22,5% se resgatar o valor em até 180 dias;
→ 20,0% de 181 até 360 dias;
→ 17,5% de 361 até 720 dias;
→ 15,0% acima de 720 dias.  

Mesmo com o desconto do Imposto de Renda, investir em Tesouro Direto ainda é mais lucrativo do que investir na Poupança.

▸ CDB com liquidez diária: é um investimento muito parecido com o Tesouro Direto, com a diferença de que ao invés de emprestar o seu dinheiro para o Governo, você está emprestando para algum banco.

Nele também há desconto de Imposto de Renda, onde a taxa de desconto é proporcional ao tempo em que o dinheiro ficou investido, como coloquei acima.

Para saber mais sobre esse tipo de investimento, clique aqui.

▸ Fundo de Investimento com liquidez diária: o Fundo DI é um tipo de investimento onde várias pessoas aplicam o dinheiro juntas num pacote de investimentos, sendo que há um gestor responsável para cuidar do valor investido por todos.

O Fundo DI tem a rentabilidade bem próxima ao CDI e pacote de investimentos ligados a ele, como CDB, Tesouro Selic e Letra Financeira.

Nem sempre essa pode ser a melhor opção, pois há cobrança de taxa administrativa e você poderia investir nesses itens separadamente por conta própria (CDB ou Tesouro Direto), sem precisar pagar essa taxa.

Além disso, há cobrança de Imposto de Renda a cada 6 meses, sendo que se investisse no Tesouro Selic, por exemplo, pagaria somente na data de resgate.

Para ser um bom Fundo DI, o desconto da taxa administrativa deve ser inferior a 0,30% (que é a taxa cobrada pelo Tesouro Direto) e ter um rendimento superior a 100% do CDI. Com essa combinação vale a pena, senão, opte por investir separadamente.


O que preciso analisar antes de escolher o investimento?


Para fazer a sua reserva de emergência, primeiro é preciso que o investimento tenha liquidez diária (D+0 ou D+1), como já falei anteriormente.

Depois você precisa analisar o valor das taxas de administração de cada investimento, porque ela será subtraída do seu rendimento.

Algumas corretoras de valores também cobram taxas, mas eu indico que você procure uma que não cobre, para ter menos custos.

E por fim, cada investimento exige um valor mínimo para começar, por exemplo, dá pra começar investindo no Tesouro Direto e em Fundos de Renda Fixa com apenas 30 ou 100 reais, já em CDB os valores podem subir para 2 mil reais.

Isso é legal porque existem investimentos para todos os bolsos, assim todos podem começar, mesmo com pouco. Faça seus cálculos e análises e comece a investir.  =)

IMPORTANTE: não mexa na sua reserva financeira se realmente não for uma emergência e sempre que o dinheiro da reserva for gasto, ele precisa ser reposto, para você não ficar sempre na estaca zero.

Investimentos em renda variável como ações, câmbio e derivativos não são apropriados para reserva de emergência, assim como investimentos de renda fixa que não permitem que você saque o dinheiro antes da data de vencimento (LCAs, LCIs e alguns CDBs) e também Tesouro Direto Pré-fixados e IPCA, que apesar de permitirem que você saque antes da data de vencimento, não garantem rentabilidade se fizer isso.

Todos eles são ideais para outros tipos de objetivos, como formação de patrimônio e aposentadoria.

Se esse conteúdo foi útil pra você, deixe um comentário aqui embaixo, compartilhe com seus amigos e siga o blog no Bloglovin’, assim você será notificado por e-mail sempre que tiver post novo para não perder nenhum. ❤️

Gostou do post e quer retribuir? Saiba como pode me 'pagar um café'. ☕ 💋

  • Compartilhe:

Veja também:

2 comentários

Obrigada por comentar! =)